Arquivo da categoria: Rio de Janeiro

Rio de Janeiro com Arnaldo Interata: o super herói das criancinhas!

forte-de-copacabana-entrada-do-arnaldo.jpg
Foto de Arnaldo Interata

Uma hora após ter chegado ao Rio de Janeiro, o telefone toca, eu olho no identificador de chamadas e vejo que é um número da própria cidade.

– Alô, oi, eu sou o Arnaldo do Rio de Janeiro, tudo bem? Do blog Fatos e Fotos de Viagens.

– Oi Arnaldo, tudo bom? Aqui é o Jorge Bernardes do Rio de Janeiro também.

Sim, depois de uma hora na Cidade Maravilhosa, eu já havia incorporado uma segunda identidade, quase carioca.

– Olha só, eu sei que vocês acabaram de chegar e não quero incomodar, eu só liguei mesmo para você ter o meu telefone marcado no seu celular, assim você pode usar em caso de qualquer necessidade, ok? Depois, a gente marca um encontro para nos conhecermos pessoalmente.

Fala a verdade, alguém conhece algo mais gentil do que isso? Nós achamos demais.

O gesto do Arnaldo e da Alice me deu uma idéia. Que tal se a Embratur lançasse uma campanha pra que os brasileiros adotassem um turista na sua cidade. Poderiam montar uma rede online de voluntários que adotariam e ajudariam o turista com a hospitalidade peculiar dos brasileiros. E contato pessoal só seria feito se houvesse interesse de ambos.

Bom, mas não parou aí não, eles foram além e mais do que uma eventual ajuda, o Arnaldo e a Alice nos ofereceram um city tour.

O Jardim Botânico era a sugestão do Arnaldo e que com certeza teria sido um passeio mais apropriado com a Clara do que a minha escolha: o Forte de Copacabana, mas aquele era um lugar que eu andava louco pra ver de perto desde que visitei virtualmente no blog do Arnaldo. Só quem navega nos Fatos e Fotos de Viagem sabe como ficam os lugares capturados pela câmera dele. Eu estava muito curioso pra ver ao vivo.

copacabana-vista-do-forte.jpg
E esta foto é minha mesma… mas aprendendo com quem sabe.

Vou deixar todo o enredo histórico do Forte para ser lido diretamente na compilação de dados que o Arnaldo fez lá no post dele, pois, a verdade é que, não foi nem a história do Forte (que nunca foi usado) e nem a vista de Copacabana o que me chamou mais atenção no passeio.

O que é mais interessante é que existe ali na esquina das duas praias mais famosas do mundo, um segredinho. Uma pequena praia secreta que mesmo poucos cariocas conhecem. Entre Ipanema e Copacabana, escondida pelo Forte, há uma prainha exclusiva. Uma belezinha. (Veja no canto esquerdo da foto abaixo)

forte-de-copacabana-do-flickr-de-leo-wery.jpg
Foto de Leo Wery extraída do FlickR

Bom, o papo rolou solto por um bom tempo. Entre uma coisa e outra, a Tati levou a Clara pra trocar uma fralda debaixo de uma árvore ali de perto, a gente deu o almoço para ela ali, ela dormiu, acordou e continuávamos batendo papo e apreciando a paisagem.

Foi assim até que a gente viu que o “prazo de validade” da Clara estava quase vencendo, até porque estava começando a ficar quente demais. Ela havia sido muito legal conosco, a gente estava abusando porque o Forte é bem perto do hotel em que estávamos hospedados, mas a horinha dela tava marcada. Como um bebê de livro.

Hora de voltar pra casa. A gente precisava dar um descanso pra Clara, dar um banho e deixá-la dormir com calma e temperatura mais amena.

“Vam’bora pro carro!”, disse o Arnaldo.

Mas não deu tempo de chegar ao hotel.

No caminho, a Clara ficou com fome de verdade e estava cansadinha. Abriu o maior berreiro no carro. Eu e a Tati ficamos sem saber o que fazer porque, na realidade, a gente sabia que só havia uma solução: mamadeira. A pequena estava com fome e ela, assim como o pai, não agüenta esperar, não!

Pra ajudar o trânsito ali por Ipanema parou!

Foi quando o nosso guia salvou a Clara. O Arnaldo, em meio ao trânsito parado de Ipanema, largou o volante para buscar a mala da Clara no porta-malas! Ele nem avisou o que iria fazer. Foi e fez. Quando a gente viu, ele já estava voltando com os mantimentos. Fizemos a mamadeira ali no banco de trás e quando chegamos ao hotel, ela já estava mais calma, sem fome e apenas com sono. Pronta para um banho e berço!

E mais uma vez, final feliz! Graças ao super herói das criancinhas! Valeu Arnaldo!

Rio de Janeiro: de Cadillac em Ipanema

vieira-souto-em-domingo-de-sol.jpg

O carrinho de “viagem com bebês” da Clara ganhou um nome! Cadillac!

A madrinha da caranga é a “Filigrana” Majô, que imediatamente lascou o nome quando viu o carrinho de bebê da Clara estacionado no piso inferior da Livraria da Travessa em Ipanema.

A Humanidade ainda não se acostumou ao contato virtual. Nós e a Majô achávamos que não nos conhecíamos só porque nunca havíamos nos encontrado pessoalmente. A verdade é que já faz um bom tempo que a gente visita a sala de bate papo onde o mundo em português discute planos de viagens: o VNV do Ricardo Freire.

    carrinho-de-bebe-na-praia-do-leblon.jpg

Cadillac com teto solar fechado!

Foi entre um café, uma água com gás e uma sopinha de legumes – que a Clara traçou ali no nosso colo – que a gente concluiu o óbvio: nós e a Majô já nos conhecíamos, de longa data.

A gente tem certeza de que a Clara achou a mesmíssima coisa. Depois de blábláblá pra cá e pra lá, ela pegou no sono no colo da Majô. Um feito inédito, pois a Clara raramente dorme no colo de quem quer que seja.

    soninho.jpg

Mas vamos começar pelo começo? Por que é que alguém vai ao Rio e segue direto pra uma livraria?

Se eu conseguisse ler tanto quanto visito livrarias, tanto quanto folheio livros, eu já estaria “lido” pro resto da vida… Afora a disposição ao gosto carioca dos livros nas estantes, a questão é que em todo lugar, a gente adora ver se os livros de lá gorjeiam como os de cá 🙂

Não, nem eu, nem a Tati e muito menos a Clara planejávamos comprar livros, embora, no final, a gente tenha comprado alguma coisa. Parar na Livraria da Travessa simplesmente faz parte do “programa maior” que é caminhar por Ipanema.

Outras escalas poderiam ser as esquinas de sucos naturais, as especialíssimas lojas de roupa de praia, ou mesmo os bares geladíssimos. Opção é o que não falta.

Nosso passeio de Cadillac havia começado no Bazaar (Rua Barão da Torre, 538), um restaurante bem bacana quase na Lagoa. Foi uma escolha rápida (estávamos morrendo de fome) e certeira. O serviço é notável, o ambiente impecável, os ingredientes são especiais. Com tudo isso de bom a verdade é que a gente esperava um pouquinho mais de “tempero especial” dos pratos, mas, de novo, os pratos eram apenas parte do “programa maior”, entende?

ipanema-com-pedacinho-do-leblon.jpg
Ipanema mais ao longe e um pedacinho do Leblon

Os prédios anos 50- 70 – disputados ao preço do metro quadrado mais caro do Brasil – não têm recuo, você lembra disso quando um pingo de água saído dos onipresentes aparelhos de ar condicionado cai na sua cabeça. Por sua vez, as calçadas são recheadas de árvores. Os porteiros ficam nas calçadas. É como se você entrasse um pouquinho na casa de cada um. Nem parece um bairro tão exclusivo.

Outra delícia é observar as pessoas vestidas como quem vai à praia ou a um casamento, todos na mesma calçada, ou seria no mesmo calçadão? Melhor ainda, na mesma avenida!

Sim, porque o ponto alto do passeio está na avenida, na praia. Que cidade tem uma paisagem assim ali, do lado de onde as pessoas vivem, trabalham, estudam? Eu não consigo me conformar, é simples assim, você dobra uma esquina e… Olha o cartão postal!

Em feriados e domingos, uma das faixas da Vieira Souto (Ipanema) e Delfim Moreira (Leblon) são fechadas… Está ali o circuito perfeito pra pilotar Cadillacs com bebês. A Clara adorou.

E se você tiver a companhia de uma carioca “sangue bom”, como a Majô, que vai te contando histórias, chama a atenção para os detalhes… Mais do que apreciar a vista, você ganha um upgrade e passa a compor a paisagem carioca de cartão postal.

morro-dois-irmaos-com-o-sol-baixando.jpg

Afinal, naquele final de tarde, a gente era apenas um grupo de amigos de longa data passeando com uma bebê no final de tarde. Tem programa de viagem melhor?

Só no Rio de Janeiro tem vôo panorâmico grátis!

ponte-aerea-i.jpg

Vôo panorâmico grátis! Confira essa mega-promoção permanente nos sites da Gol e da TAM.

(Promoção válida para bilhetes comprados de e para o Rio de Janeiro, aeroporto Santos Dumont).

Não dá pra competir. Não existe outra cidade que te receba assim como o Rio de Janeiro. Ao menos não num Boeing ou num Airbus!

    corcovado-e-aterro.jpg

Só uma cidade segura de si e do seu merecido título “Maravilhosa” se mostra assim para seus visitantes, antes mesmo que eles possam “tocá-la”.

clara-chega-ao-rio.jpg
Clara ansiosíssima para conhecer o Rio!

Como fotógrafo, eu não passo de um turista com boa vontade. Minha câmera é automática e o tempo nem estava grandes coisas (havia acabado de chover no Rio quando chegamos) e, ainda assim, essa primeira foto da janela do avião me lembra muito aquele cartão postal tradicional que a gente vê mundo afora quando encontra uma imagem do Brasil.

    santos-dumont.jpg

Se você for ver bem, o Galeão nem é tão longe assim. Para quem vai à Zona Sul (por exemplo), através da Linha Vermelha e com o Túnel Rebouças aberto, dá QUASE para pensar que você faz um bom negócio ao economizar uns tostões no bilhete para chegar ao Rio via Ilha do Governador.

Mas a verdade é que você perde o vôo panorâmico grátis! Pronto, o que era mais barato, acabou de ficar caro.

O vôo de helicóptero que parte da Urca é inacreditável. Especialmente o giro em torno do Cristo Redentor, é lindo demais. Recomendadíssimo! Mas em 8 minutos custa quase o bilhete da ponte aérea! Chegando ao Rio pelo Santos Dumont, você ganha uma barrinha e um vôo panorâmico!

arcos-da-lapa.jpg
Arcos da Lapa

E quem diria, a julgar pelo quadro de informações de vôos do aeroporto, descer no Santos Dumont é um privilégio quase exclusivo para paulistas. Mais de 95% de todos os vôos que chegam e partem do Santos Dumont tem como origem e destino São Paulo.

Ô gente! O negócio é aproveitar porque pensando bem, a ponte aérea tá é barata!