Arquivo da tag: parnaíba

Travessia Lençóis-Jeri: em Jeri com Gira Mundo

jeri3.jpg

Em Jeri, ninguém precisa ter compromisso nem programa obrigatório, o mais gostoso é ficar pela vila mesmo e ir até a praia. Você não perderá o melhor da festa se não fizer nenhum passeio fora da vila.

Quando ir:

O segundo semestre é o verão para quem está no litoral de Fortaleza à Belém. Bem mais seco. De qualquer forma, o ano todo terá tempo bom pois, quando chove, passa bem rápido.
Mais fácil é dizer quando não ir. A regra fundamental para ir e gostar de Jeri é não ir durante nenhum feriado. Fuja deles. Nos feriados, fica cheio demais, a galera de Teresina e Fortaleza invade Jeri, o pessoal abusa e vai de carro até a vila. Acaba com qualquer clima de férias.

Até 3 dias inteiros:

• Não gaste dinheiro com buggys, nem troque uma manhã inteira de praia para ir a algum lugar longe. Fique apenas entre a vila e a praia e cumpra o ritual diário de subir na duna para ver o por do sol.

Mais de 3 dias inteiros. Já dá para acrescentar algumas coisas bem legais:

• Lagoa Paraíso e Lagoa Azul: que podem ser a mesma dependendo da quantidade de chuvas que estiver caindo na temporada;

• Tatajuba: não é perto! O buggy é caro! Programa para quem gosta de andar de buggy beirando o mar. É uma vila de pescadores junto ao riacho bacana e muitas dunas a 30km de Jeri em direção à Camocim. Na verdade, é uma nova vila, pois a anterior foi soterrada pelas dunas.

• Pedra Furada: Não deixe de contratar um guia que leve água e que vá te indicando o melhor caminho. Pela praia na maré baixa e pelo Serrote (bacana, mas mais cansativo) na maré alta. Não esqueça de deixar uma boa caixinha para ele, o trabalho que ele faz não existe em lugar nenhum desse mundo. Todos os guias que vi merecem. Veja este link que o Ricardo Freire fez sobre os guias frigobar de Jeri.

jeri1.jpg

Roteiro gastronômico:

Naturalmente: talvez o melhor crepe do Brasil! É uma unanimidade! Fica na beira da praia. Ótimo lugar para jantar. Foi aqui que fomos “apresentados” ao som do Renato Braz. Combina bem com o lugar.

• Chocolate: bem pequeno, todo aberto, parece que fica até no meio fio da Rua do Forró. A Patrícia Maia ou Paty Gateau é a chef do restaurante. Ela já morou e trabalhou mundo afora, mas foi em Jeri que se radicou. A sobremesa (petit gateau) que lhe garantiu o apelido é famosa, mas gostamos mesmo foi das entradas.

• Carcará: o mais simpático. Fica quase no fim da vila, também na Rua do Forró. Comida regional. O prato “arrumadinho” que leva arroz de leite é dos mais pedidos. Eu não deixaria Jeri sem passar lá.

Pizza Nômade: na Rua da Farmácia, a uma quadra da praia. As pizzas são muito boas e criativas com abobrinha, queijo tipo polengui, frutas, etc. É bacana para variar. Se paulistano gosta, todos vão gostar.

Hospedagem:

Vila Kalango: Se eu fosse você e tivesse uma graninha extra, não iria a outro lugar. Melhor hospedagem da vila.

Mosquito Blue: “De bacana”. Não é barata, mas se a Kalango tiver lotada, fique aqui. Só peça para ficar no piso superior para ter mais privacidade.

Pousada do Serrote: Muito boa opção fora do agito, é nova e anda bem indicada. Custo bom.

Pousada Jeribá: Na praia, está no nível de preço intermediário;

Pousada Recanto do Barão: Onde nos hospedamos na última vez. O casal Pastel (Wila e Déa) é que nos indicaram lá. Pegamos uma ótima tarifa. É muito bem arrumado, ótimo café da manhã, recomendo você ficar no quarto 17, pois é aonde você não vai ouvir nada do forró que acontece bem em frente. A Bárbara é a gerente do lugar e é uma figura. Ótimo lugar para se hospedar sozinho. A Bárbara conhece todo mundo e deixa todo mundo à vontade.

jeri2.jpg

Como chegar:

Viação Redenção: é a forma mais barata e tranqüila de chegar. Os ônibus saem de Fortaleza da Beira Mar e da Rodoviária e seguem para Jijoca de Jericoacoara onde rola uma rápida conexão. Quem está vindo de Fortaleza, sobe na jardineira e quem está voltando de Jeri, sobe para o ônibus. Funciona que é maravilha. O ônibus é novo e muito confortável no horário noturno. Você vai dormir a viagem inteira. Leve um agasalho.
• O trecho de jardineira já foi bem mais interessante quando seguia pelas dunas, mas em nome da preservação da natureza, agora ela segue pela praia no Preá. Eu penso que o trecho de jardineira serve para você entrar no clima de Jeri, é como se você deixasse tudo para trás.
• Já ouvi de quem fez a viagem até Fortaleza de 4×4 e achou caro e roubada. Vai todo mundo espremido no Land Rover. Pelas praias também é furada se você não tiver ao menos 3 dias para parar e curtir. Ninguém merece ficar o dia inteiro rodando pela praia espremido num Land Rover.
• Não cometa o pecado de ir de carro até Jeri. Os “pilotos” garantem que é fácil, mas você não sabe como corta o clima ver um carro estacionado no meio da vila. O carro não serve para nada lá e só dá trabalho.
• Acredite em mim, o ônibus é o mais fácil, confortável e barato meio de chegar a Jeri.

Veja também estes links que contam toda a travessia desde São Luís:

Da Ilha do Caju à Jeri, via Parnaíba;
A Ilha do Caju
De Caburé à Ilha do Caju
De São Luís à Caburé